Estou cada vez melhor

 


Queridos amigos quando me perguntam se está tudo bem eu respondo normalmente: 

- Estou cada vez melhor!

o que provoca naturalmente um choque inicial e depois um largo sorriso em quem pergunta. E eu, do alto dos meus 63 anos, com uma vida normal igual a tantos outras, reforço: 

- Estou cada vez mais jovem, mais saudável, mais abundante e mais alegre. 

O que aumenta ainda mais o ar sorridente do meu interlocutor que não resiste a perguntar:

- Como fazes isso?

- Olha já tentei várias vezes na vida ser sisudo, velho, doente e escasso e não funcionou bem. 

Largo então um grande sorriso e explico melhor:

- No marketing e na hipnose clínica aprendemos que uma coisa repetida muitas vezes, em certas condições ambientais, torna-se verdade. Mesmo que seja mentira. Por isso vou repetindo para mim mesmo estas frases e estou a dar-me bem. Recomendo que faças o mesmo. Claro que todos tivemos e temos os nossos desafios, claro que os acidentes e as coincidências acontecem, mas se o nosso foco estiver mais para o lado do sonho tudo flui melhor.

Naturalmente que as pessoas comuns não acreditam que isto seja possível. Mais abundante e alegre ainda... vá lá..., mas mais jovem e saudável. isso é que não. Ser mais jovem é uma utopia, uma impossibilidade física pois acreditamos que estamos todos cada dia mais velhos e doentes. No corpo físico, claro.

Mas a juventude que eu falo nada tem a ver com o corpo físico e sim com o corpo mental, emocional e espiritual. Não tem nada a ver com biologia e conhecimento e sim com criatividade e sabedoria. Há pessoas com 20 anos extremamente velhas e sisudas e muitas outras com 80 anos jovens e alegres. Por isso há pessoas com 20 anos, ou menos, que estão cada vez piores e acabam por entrar em processos decadentes, biológicos e comportamentais, supostamente ainda com muitos anos de vida por viver e há pessoas, com 80 anos ou mais, que estão cada vez melhores apesar da proximidade do prazo de validade do seu corpo físico.

Sabe a ciência mais moderna (Epigenética) que as nossas células obedecem à perceção do ambiente nos seus processos de alimentação, movimentação e reprodução. E se o ambiente (mental, emocional, familiar, laboral, espiritual, ...) à sua volta for favorável elas realizam a sua missão com melhor desempenho e melhores resultados.

Tal como nós, as nossas células parecem ser como pequenos computadores que realizam programas pré-estabelecidos, comandados pelo seu DNA, sempre que são deixadas em ambientes neutros. Mas que podem ser programadas, especialmente através da mente, das emoções, cirurgias e tóxicos (medicamentos ou suplementos), para alterarem os seus programas, tanto para melhor como para pior. Tanto para rejuvenescer como para adoecer.

Elizabeth Blackburn, premiada com o Nobel de Fisiologia e Medicina em 2009, postula mesmo que os telómeros, as extremidades dos nossos cromossomas, são responsáveis pela nossa longevidade e que quanto mais longos mais tempo de vida teremos. Esta cientista Australiana-Americana descobriu também que a meditação e alguns hábitos de vida são responsáveis por manter o tamanho dos telómeros e assim prolongar a nossa juventude física. Esta é uma nova verdade científica que desconhecíamos.

Segundo a sabedoria tolteca, a história humana que começou com Adão e Eva está repleta de mentiras. Don Miguel Ruiz, neurocirurgião mexicano seguidor e promotor da cultura tolteca, no seu livro "A voz do Conhecimento" refere que a maior parte do que nos levaram a acreditar ao longo dos séculos é mentira. Muitas das nossas crenças não têm qualquer fundamento aos olhos da mãe Natureza. Por isso talvez a frase "Estou cada vez melhor" até seja uma grande verdade pois todas as fases da vida são boas. 

Também a física quântica diz que ao nível subatómico somos feitos das mesmas partículas interligadas, que vibram de forma diferente e, assim, se vão exibindo perante nós como pessoas, animais, plantas ou minerais. Em permanente mudança e transformação ao longo do tempo. Uma borboleta não é melhor nem pior que uma lagarta ou um ovo. Apenas estão a vibrar em espaços e tempos diferentes.

E tu? Acreditas que és um computador com um programa de envelhecimento pré-programado? Ou sentes que és muito mais do que isso? Um ser observador superior que assiste ao seu próprio teatro e com muito amor e alegria aceita todos os atos que não pode mudar e, com coragem, muda aqueles em que pode exprimir a sua criatividade e dar o seu exemplo, no sentido de um futuro mais feliz para todos os outros atores desta grande peça que é a vida.

Quando dizes "Não" a um projeto inovador, apenas dizes "Sim" às tuas velhas crenças, à tua zona de conforto. É muito mais fácil falar (blá blá blá) ou criticar (nhã nhã nhã) do que saltar para a ação, errar e corrigir, cair e levantar e degrau a degrau, em comunidade, solidariedade e amor com outros, criar um mundo melhor. Mais verdadeiro. Mais próximo da natureza. Mais colaborativo e amoroso. Mais próximo do jardim do Éden de onde fomos expulsos há tantos milénios. Mais próximos da nossa criança interior.

Repetirmos todos os dias a toda a hora "Estou cada vez melhor" é provavelmente a melhor forma de caminharmos nessa direção. E se estivermos inseridos em boas comunidades e bons grupos de amigos, com quem possamos partilhar abertamente a nossa experiência de vida, ainda melhor.

Experimenta e depois partilha o resultado comigo. Pode ser?


Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Tu não és um computador

Viciados